Notícias

Gestão

Primeira Infância ganha Secretaria na estrutura do Desenvolvimento Social

publicado: 10/03/2020 18h23, última modificação: 16/03/2020 10h25
Anúncio foi feito pelo ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, durante posse do novo secretário especial, Sérgio Queiroz

 

 

Sérgio Augusto de Queiroz tomou posse, nesta terça-feira (10.03), como secretário especial do Desenvolvimento Social. Durante a cerimônia, no Ministério da Cidadania, em Brasília, que também marcou a posse do secretário executivo Antônio José Barreto e do secretário especial do Esporte, Marcelo Magalhães, o ministro Onyx Lorenzoni anunciou a criação da Secretaria Nacional da Primeira Infância, tema definido como o foco principal da pasta na área social.


“Quem é pai, mãe, avô, avó, tio ou madrinha sabe a diferença da criança que passa pela pré-escola da criança que não passa. É de 0 a 36 meses que ela precisa desenvolver toda a sua capacidade cognitiva, e é dos 36 meses aos 5 anos e 11 meses que precisa desenvolver o prazer em aprender”, destacou Lorenzoni. “O anúncio da Secretaria Nacional da Primeira Infância é uma transformação poderosa porque esse será o foco do Ministério da Cidadania na área social”, completou.

 

O secretário Especial do Desenvolvimento Social, Sérgio Queiroz, e o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni. Foto: Rafael Carvalho /Min. Cidadania


Com 27 anos de dedicação ao serviço público, Sérgio Queiroz é procurador da Fazenda Nacional e atua no governo do presidente Jair Bolsonaro desde a transição. Segundo ele, o trabalho com a primeira infância delineará o caminho de todos os demais projetos da Secretaria Especial do Desenvolvimento Social.


“Como nós temos muitos problemas sociais, não dá para resolver tudo de um dia para a noite”, pondera Queiroz. “A criação de uma Secretaria Nacional da Primeira Infância é algo inovador porque a gente vai fazer convergir os projetos das demais secretarias com esse recorte etário, que pode ser revolucionário, e será revolucionário, para as próximas décadas”, acrescenta.

 


“O desenvolvimento social é uma das chaves para o desenvolvimento integral de uma nação. Nós precisamos de desenvolvimento econômico com desenvolvimento sustentável na área social e ambiental também”, afirma o secretário. “O que nós queremos é trazer mais ciência para a gestão pública, aprimorar os sistemas e os programas. Não podemos ter uma nação em que pessoas recebem benefícios sociais sem precisar enquanto outros tantos que precisam estão em filas”, ressalta.


Natural de João Pessoa (PB), Sérgio Queiroz relembrou como construiu a vida no Nordeste, ao lado da esposa, antes de aceitar a missão em Brasília. “Estamos aqui porque acreditamos no Brasil. Acreditamos neste projeto de governo e que podemos transformá-lo com a união de forças, com mais ciência e menos intuição”, destaca.

 

Sérgio Queiroz: 'O que queremos é trazer mais ciência para a gestão pública, aprimorar os sistemas e os programas'. Foto: Rafael Carvalho/Min. Cidadania


Perfil


Sérgio Augusto de Queiroz é graduado em Engenharia Civil (1993) e em Direito (1999) pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), além de ter graduação em Teologia (FTSA - 2017) e em Psicologia (UFPB - incompleto). Ele tem especialização em Engenharia de Segurança no Trabalho (1995) e MBA em Gestão Pública (em fase de TCC). Ainda possui mestrado livre em Teologia pelo Instituto Bíblico Betel Brasileiro (2003), mestrado em Filosofia pela Universidade Federal da Paraíba (2006) e doutorado em Teologia pela Trinity International University, Chicago (EUA), com validação da PUC/RJ (2016). Iniciou pós-doutorado em direitos sociais na Universidade de Salamanca, na Espanha.


Sérgio Queiroz atuou como técnico da Justiça Federal (1993-1995), auditor fiscal do trabalho (1995-2000) e membro efetivo da transição governamental federal - CETG IV (2018). Foi também secretário nacional de Proteção Global do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (2019/2020). É professor da Faculdade Internacional Cidade Viva e de outras instituições de ensino superior como professor convidado. É membro da Advocacia-Geral da União, como Procurador da Fazenda Nacional, desde 2000.


Foi conselheiro titular dos Conselhos Nacionais do Idoso, do Trabalho, dos Direitos Humanos e de Recursos Hídricos, membro do Ponto de Contato Nacional da OCDE e presidente do Conselho Nacional de Combate à Discriminação. Tem larga experiência no terceiro setor, nos campos da assistência social e em projetos de desenvolvimento social, pela Fundação Cidade Viva, que criou e onde atua como voluntário.


Ele assumiu a Secretaria Nacional de Proteção Global do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos em janeiro de 2019, cargo que ocupava até ser nomeado para o Ministério da Cidadania.

 

Ana Cláudia Felizola

Assessoria de Comunicação – Ministério da Cidadania